Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Projeto de extensão do Campus Araguatins é destaque em matéria da TV Anhanguera

Notícias

Projeto de extensão do Campus Araguatins é destaque em matéria da TV Anhanguera

Porta Aberta:

O projeto atende a 13 detentos que têm remição de pena por meio da leitura.
por publicado: 14/08/2017 16h00 última modificação: 14/08/2017 16h56
Colaboradores: Kelinne Guimaraes

Campus Araguatins, do Instituto Federal do Tocantins(IFTO), recebeu hoje, 14, a equipe da TV Anhanguera para elaboração de uma reportagem sobre o Projeto Porta Aberta. 

Na ocasião, a servidora do Campus Araguatins e coordenadora do projeto, Maristela Gonçalves, foi entrevistada pelo repórter, Thiago Vieira, e explicou como o projeto foi criado, quais seus objetivos e metodologia.

A previsão é que a matéria seja veiculada, ainda, neste mês no Jornal Anhanguera. 

Projeto Porta Aberta 

O projeto foi implanto no mês de julho pelo Campus Araguatins em parceria com Ministério Público do Estado do Tocantins Regional de Araguatins, Unidade Prisional de Araguatins e Juiz de Execução penal da Comarca de Araguatins. Atualmente atende a 13 detentos, que têm remição de pena por meio da leitura. Contribuindo assim para a formação educacional das pessoas condenadas e sua provável ressocialização. 

O Porta Aberta funciona da seguinte forma: são feitos empréstimos de livros para os apenados, que após a leitura produzirão resenhas a respeito do livro que leram. Tendo cada apenado direito a um livro e confecção de uma resenha mensal para efeito de remição de pena. As normas preveem que o detento terá o prazo de 21 dias corridos para a leitura de uma obra literária disponibilizada pelo Campus Araguatins- Projeto Chiquinha Gonzaga, com livros pré- selecionados pela Promotoria e Defensoria. 

Para cada resenha avaliada positivamente, o encarcerado terá remição de um a quatro dias da pena, dependendo da gravidade do delito cometido – sendo este item avaliado pelo Ministério Público e pelo Juiz de Execução Penal, previamente, durante a confecção da listagem codificada dos apenados. 

Todas as atividades do projeto são realizadas de forma voluntária pelos coordenadores, colaboradores e encarcerados.