Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Pesquisa do IFTO sobre carvão vegetal tem pedido de patente publicado

Notícias

Pesquisa do IFTO sobre carvão vegetal tem pedido de patente publicado

Inovação

Etapa garante a titularidade da tecnologia e segurança para os inventores
por Mayana Matos publicado: 31/01/2020 10h00 última modificação: 31/01/2020 11h59

O Instituto Federal do Tocantins (IFTO) teve o requerimento de pedido de patente publicado na Revista de Propriedade Industrial (RPI) com a invenção "Carvão Vegetal Bioindustrial do Capim Andropogon (CVBCA)". Trata-se da produção de carvão vegetal a partir do capim andropogon in natura. De acordo com o inventor, professor Argemiro Pedrosa, da unidade Porto Nacional, não existe no mercado algum carvão produzido a partir deste capim, o que caracteriza a novidade da invenção. 

Com a descoberta, será possível substituir o carvão mineral comercial para o fornecimento de energia nas fornalhas de indústrias de produção de açúcar. Outra aplicação possível e já testada é a utilização do biocarvão como filtro nos mais diversos setores da indústria, como de tintas, bebidas, matadouros, galvanoplastia, entre outros. 

De acordo com a assessora de Propriedade Industrial, Siméia Carvalho, esta etapa da publicação na revista é importante porque "garante a titularidade da tecnologia e segurança para os inventores, ou seja, o  titular e inventores da patente têm o direito de impedir terceiros, sem o seu consentimento, de produzir, colocar à venda, usar, importar produto objeto da patente ou processo ou produto obtido diretamente por processo patenteado. Terceiros podem fazer uso da invenção somente com a permissão do titular", esclareceu. 

Atualmente, 19 processos referentes à proteção de propriedade intelectual tramitam na  Diretoria de Inovação e Empreendedorismo na Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (Propi) . Entre os pedidos, constam patentes de invenção, modelos de utilidade, software e marcas, resultantes do trabalho de pesquisa inovadora desenvolvido por servidores do IFTO. "Apesar do número crescente de notificações de invenção, os números ainda não espelham o volume de inovações produzidas na instituição. O processo de notificação é rápido e deve ser realizado sempre que o trabalho apresentar resultados passíveis de proteção como: novidade, envolver uma atividade inventiva e ser suscetível de aplicação industrial", afirma Hellen Souza Luz, diretora de Inovação e Empreendedorismo.

Dúvidas podem ser sanadas e orientações podem ser oferecidas através do e-mail nit@ifto.edu.br ou telefone (63) 3229-2227.