Você está aqui: Página Inicial > Notícias > IFTO comemora depósito de patente do "Adubo em Cápsula"

Notícias

IFTO comemora depósito de patente do "Adubo em Cápsula"

Inovação

As cápsulas podem ser usadas em hortaliças, canteiros ou vasos de plantas ornamentais
por Mayana Matos publicado: 25/06/2019 09h00 última modificação: 25/06/2019 16h42

O Instituto Federal do Tocantins (IFTO) protocolou, no último dia 19, o pedido de registro de patente nacional "Adubo em Cápsula" junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). Entre os objetivos do registro de patentes está o de garantir proteção jurídica contra o uso e a cópia indevida de novas invenções e tecnologias, bem como uma forma de obter os direitos sobre a exploração dos produtos inventados. 

De forma simples, o adubo em cápsula pode ser usado em hortaliças, canteiros ou vasos de plantas ornamentais. Basta apenas enterrar uma única cápsula ao lado planta. Após dez dias, em média, o criador pode repetir a dose. "O projeto foi idealizado na Paraíba durante o curso de mestrado na UFPB, porém, o produto pensado naquela época era diferente, não havia cápsulas, nem cores, além disso, era para uso pessoal. Somente como professor de agricultura do IFTO, o qual leciono desde 2016, pude materializar de fato o projeto", ressaltou o idealizador do projeto, o professor Reinaldo Medeiros, do Campus Lagoa da Confusão. 

O professor destaca que qualquer pessoa pode fazer o uso da cápsula. "O adubo encapsulado garante que, mesmo a pessoa mais leiga, poderá sem risco algum produzir sua horta, jardim e mesmo seu vaso planta de apartamento, pois as doses são controladas e os nutrientes garantidos", enfatizou. 

"Comprimidos" para plantas

O objetivo do produto é facilitar e enriquecer a adubação de plantas. A cápsula de consistência gelatinosa possui fertilizantes minerais para nutrição vegetal, sendo estes formados pela mistura de oito sais e corante em pó (fenilamina) para caracterizar os adubos em verdes, amarelos e vermelhos de modo que cada cor representa um grupo de espécies vegetais. As cápsulas possuem dois tamanho para uso de acordo com a idade da planta, e são acondicionadas em frascos e sacos, ambos de polietileno transparente e com capacidade para 120 a 200 cápsulas no frasco e 80 a 140 cápsulas nos sacos. A propriedade intelectual foi desenvolvida pelos professores do Campus de Lagoa da Confusão: Reinaldo Ferreira Medeiros, Rogério Lorençoni e  Danilo Akio de Sousa Esashika.

Proteção da invenção

As assessoras do Núcleo de Inovação da Diretoria de Inovação e Empreendedorismo do IFTO, Simeia Carvalho de Oliveira Marinho e Hellen Souza Luz, esclarecem sobre a importância de patentear o produto. "A proteção da propriedade intelectual é uma garantia oferecida pelo Estado para invenções com potencial inovador, de forma a garantir a exclusividade na exploração da tecnologia desenvolvida. A patente pode ser transferida ao setor produtivo de forma a conferir vantagens competitivas para as empresas que explorarão a tecnologia. Em contrapartida, o IFTO e os inventores poderão receber royalties pela transferência. Além disso, a tecnologia pode ser explorada diretamente pelos inventores através da constituição de empresa", disseram. 

Com esse processo do depósito de patente, "o IFTO cumpre seu papel de alavancar o setor produtivo por meio de transferência de tecnologia, além de motivar o desenvolvimento de inovação no âmbito da instituição. A tecnologia é elemento central para proporcionar vantagens competitivas para o setor produtivo além de possibilitar o acesso a novos produtos e serviços com custos reduzidos e mais eficazes pela comunidade, impactando na melhoria de qualidade de vida", ressaltaram as assessoras.

O processo de depósito da patente se dá em dois momentos diferentes: o primeiro passo tem início no próprio IFTO, a partir do momento que o inventor comunica à Diretoria de Inovação e Empreendedorismo (Diem), a qual inicia a assessoria ao inventor, de modo a identificar a existência ou não de proteções correlatas e orientações da redação de patente. O segundo momento se refere ao trâmite no INPI. A Diem e sua equipe passa então a fazer o acompanhamento das publicações e, em conjunto com o inventor, faz o saneamento de possíveis exigências solicitadas pelo INPI. 

Outras invenções patenteadas

Atualmente, o IFTO conta com um depósito de patente internacional. Trata-se da descoberta de como produzir HMF por meio da quitosana, elemento encontrado na parte exterior do corpo dos animais artrópodes, especialmente crustáceos. Com o HMF pode-se obter diversos produtos, entre eles biocombustíveis. Além disso, existe outro pedido de patente já registrado pelo IFTO junto ao INPI.