Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Campeonato de barquinho a vapor leva a Física para fora da sala de aula

Notícias

Campeonato de barquinho a vapor leva a Física para fora da sala de aula

Campus Porto Nacional

A atividade foi realizada às margens do Lago do Rio Tocantins, em Porto Nacional (TO).
por publicado: 18/08/2017 15h02 última modificação: 18/08/2017 15h05
Exibir carrossel de imagens Atividade buscou aliar a teoria à prática

Atividade buscou aliar a teoria à prática

Luciana Santos

A manhã do dia 04 de agosto foi diferente para a turma do 2º ano do curso técnico de Informática para internet integrado ao ensino médio. O professor de Física dos alunos, Rodrigo Fonseca, organizou o 1° Campeonato de Barquinho a Vapor do Campus Porto Nacional, realizado na beira do Lago do Rio Tocantins. .

A ideia era estender o conteúdo de termodinâmica ministrado em sala de aula. Assim, professor e estudantes dividiram as equipes e formularam as regras. Na fabricação dos barquinhos, poderiam ser usados diversos materiais, como tubo plástico ou canudinho, cola, vela, tampa metálica, folha de alumínio ou lata, tinta, lápis e prego. "Os alunos desenvolveram os projetos levando em consideração alguns fatores como vento, correnteza e outros. Fiquei muito feliz com o resultado e principalmente pela dedicação dos alunos", comemorou Rodrigo.

De acordo com o professor, o barquinho funciona como uma máquina térmica que transforma o calor das chamas da vela em movimento, ou seja, a energia térmica em energia mecânica. "O funcionamento dele é simples: o barquinho se movimenta porque há pequenas gotas de água dentro do compartimento de alumínio. Quando essas gotas esquentam, elas se transformam em vapor e “expulsam” a água que está nos canudinhos, criando uma espécie de jato. Quando o vapor está prestes a sair, contudo, o contato com a água gelada faz com que ele esfrie e se transforme em líquido novamente. Com a diminuição de temperatura, diminui também a pressão dentro do compartimento de alumínio, fazendo com que a água volte para lá", explicou.

Para a estudante Evelin, essa foi uma forma descontraída de aprender o conteúdo. "Enquanto produzíamos o barco, conseguimos adentrar ao assunto da termodinâmica. E, no dia da competição, a aula ao ar livre com toda a sala e o professor Rodrigo proporcionou à turma um entendimento de forma divertida", explicou.

O aluno Felipe Pereira também achou divertida a atividade. "A nossa experiência com os barcos a vapor foi espetacular, apesar das condições climáticas do dia do teste, o vento e o sol, tivemos grande aproveitamento. Tenho certeza que o conteúdo foi fixado. Foi uma nova maneira de estudar Física, todos aprovaram e, principalmente, aprendemos nos divertindo", salientou.