Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Atividades do Espaço de Inovação desafiaram estudantes a solucionar problemas da sociedade

Notícias

Atividades do Espaço de Inovação desafiaram estudantes a solucionar problemas da sociedade

9ª JICE

Hackathon, Mostra Tecnológica, Campeonato de Robótica e Desafio de Ideias aconteceram simultaneamente
por Lúcia Gomes publicado: 29/10/2018 19h39 última modificação: 29/10/2018 19h45

Durante os três dias da 9ª Jornada de Iniciação Científica do IFTO (JICE) o ginásio de esportes do Campus Palmas se transformou em local de divulgação de trabalhos e pesquisas destinadas à inovação tecnológica.

É o segundo ano do Espaço de Inovação na JICE, e de acordo com Erna Denzin - diretora do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), esse é um momento de apresentar à comunidade os projetos realizados nos 11 campi do IFTO. “Os Institutos Federais de todo o país têm a incumbência de desenvolver ciência e tecnologia que melhorem a vida das pessoas, por isso nas atividades desse espaço os estudantes são desafiados a solucionar problemas reais”, explicou.

Quem visitou o ginásio do Campus Palmas notou que ele foi dividido em ambientes diferentes. Isso porque o Espaço de Inovação contou com quatro atividades acontecendo simultaneamente: o Hackathon, a Mostra Tecnológica, o Campeonato de Robótica e o Desafio de Ideias.

Hackathon

O Hackathon é uma competição na qual as equipes precisam desenvolver solução de problemas pré-estabelecidos. Os estudantes ficam durante 24 horas seguidas elaborando metodologias e protótipos de produtos inovadores.

Para a 9ª JICE, os temas dos trabalhos foram Bioeconomia e Indútria 4.0 (que engloba algumas tecnologias de automação e troca de dados). Eles foram indicados pela Secretaria Estadual da Agricultura e Pecuária, parceira do IFTO, isso porque os vencedores serão apresentados a produtores rurais durante a 19ª edição da Feira de Tecnologia Agropecuária do Tocantins (Agrotins).

Essa foi a primeira vez que o IFTO realizou esse tipo de evento, mas o Hackathon é uma atividade já bastante conhecida por estudantes e profissionais da área de Tecnologia da Informação.

O professor André Rincon, um dos organizadores do evento, revelou que a equipe campeã receberá bolsa durante oito meses para desenvolver e aperfeiçoar seu projeto, além disso, as três melhores ideias também terão consultoria técnica da equipe da Diretoria de Inovação a fim aprimorar o que foi apresentado na competição.

Mostra Tecnológica

Na Mostra Tecnológica os estudantes puderam expor projetos de pesquisa de relevância no uso de tecnologia para resolução de problemas. Ana Clara Vila, aluna do 1º ano do curso de ensino médio integrado em Edificações do Campus Gurupi, apresentou seu trabalho no evento.

Ela e os colegas do grupo desenvolveram um projeto de automação residencial, o Mark 2.0, que permitia a realização de tarefas como abrir portas, ascender luzes, utilizando o celular e a rede wifi da casa. Segundo Ana Clara, a proposta do trabalho foi bastante desafiadora, mas acabou fazendo com que ela se interessasse ainda mais pelo curso. “A gente ainda está no primeiro ano do ensino médio e tivemos que trabalhar conceitos que muita gente só vê na faculdade. Foi muito trabalhoso, mas muito gratificante”, ponderou.

Ao todo, na JICE deste ano foram apresentados 13 projetos na Mostra, uma evolução bastante significativa segundo a diretora do NIT, Erna Denzin, isso porque na primeira edição, realizada em 2017, apenas dois trabalhos foram inscritos. Ela acrescentou que a expectativa é que a cada ano esse número cresça.

Campeonato de Robótica

O Campeonato de róbotica, assim como na primeira edição, chamou bastante atenção dos visitantes. Durante as batalhas, a empolgação da torcida só não era maior que a dos competidores quando seus robôs conseguiam cumprir todas as tarefas estabelecidas em cada etapa.

Hellen Luz, assessora de Projetos Tecnológicos do NIT, explicou que a competição é divida nas seguintes categorias: seguidor de linha, resgate e sumô. Em cada uma delas os competidores devem programar seus robôs para realizar ações que simulam situações da vida real. Para Hellen, participar desse tipo de atividade faz com que os estudantes tenham contato com um conjunto de habilidades que os tornam profissionais mais qualificados para responder positivamente às demandas do mercado.

Euzilan Santos, estudante do Campus Porto Nacional, foi um dos competidores. Para ele, o campeonato é mesmo uma preparação para desafios que poderá encontrar no mercado de trabalho, tendo em vista que atualmente a automação é realidade em vários setores produtivos.

Desafio de Ideias

No Espaço de Inovação também aconteceu o segundo Desafio de Ideias do IFTO. Na competição os estudantes tinham cinco minutos para apresentarem aos jurados propostas inovadoras de melhorias tecnológicas a processos existentes.

Os trabalhos foram avaliados por uma banca que além de atribuir notas também deu sugestões aos participantes. A médica veterinária de Araguaína, Márcia Helena da Fonseca, foi umas das avaliadoras e elogiou bastante a iniciativa. “Todos os trabalhos apresentados têm potencial para se tornar produtos vendáveis e que ainda podem ser soluções para a vida das pessoas”, acrescentou.

Eu achei bastante desafiador. Aprendi não só produzindo meu projeto, mas também vendo os trabalhos de outros colegas e recebendo as sugestões da banca”, disse Isabela Bandeira, estudante do 2º ano do curso de ensino médio integrado em Informática do Campus Colinas, bastante empolgada logo após sua apresentação.