Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Alunos expõem resultados de pesquisas do técnico em Informática

Notícias

Alunos expõem resultados de pesquisas do técnico em Informática

Formação

A atividade é parte da execução dos Projetos integradores dos cursos subsequentes do Campus Porto Nacional
por Luciana Santal publicado: 23/08/2017 10h50 última modificação: 23/08/2017 13h50

Na última sexta-feira, 18, alunos do 3º módulo do técnico subseqüente em Informática apresentaram seus projetos integradores, exigência para conclusão do curso. As exposições foram realizadas no período da tarde na Sala de Reuniões do Campus Porto Nacional, sob a supervisão da coordenadora dos cursos técnicos subseqüentes Lucivania Pereira Gloria.

O Projeto Integrador leva essa denominação porque o seu objetivo é orientar o aluno para a elaboração de uma pesquisa que, sob a perspectiva da interdisciplinariedade, utilize as ferramentas adquiridas no decorrer dos módulos. Como os cursos subsequentes têm como público-alvo aqueles alunos que já concluíram o ensino médio, esses módulos corresponderiam aos semestres letivos dos cursos regulares. Ao todo, são três módulos nos 18 meses de duração dos cursos. No 2º módulo, os alunos preparam um pré-projeto com o esboço da pesquisa que será realizada durante todo o 3º módulo.

O primeiro grupo a se apresentar, composto pelos alunos Antonia Maria de Paula, Glória Esthefanny e Vanderson Carvalho, trouxe a temática do lixo eletrônico em Porto Nacional. Segundo o projeto, a produção de e-lixo ou RAEE (sigla de Resíduos de Aparelhos Eletroeletrônicos) abrange baterias e pilhas e demais produtos magnetizados e tem origem em todos os setores, seja em residências, indústrias ou nos comércios.

A pesquisa em lojas especializadas de assistência de eletrônicos constatou a deficiência no município de coleta para o e-lixo. Por meio de entrevistas realizadas com os proprietários dessas lojas, eles observaram que não se pratica nenhum tipo de tratamento específico para estes resíduos. Algumas peças são reaproveitadas, outras são enviadas periodicamente para Goiás, mas aquelas sem serventia são descartadas como lixo comum.

Essa ideia será levada pelo grupo à Prefeitura de Porto Nacional para que a gestão municipal analise a criação dos ecopontos para controle do lixo eletrônico na cidade. Além disso, o website, pioneiro no estado, pode ser usado por outras cidades também.

O professor Edilson Leite, que orientou o grupo, explica que o trabalho desenvolvido pelo grupo é de extrema importância para a destinação correta do lixo eletrônico. “O projeto objetiva a coleta e descarte corretos do lixo eletrônico, com a utilização de um site que vai permitir encontrar um ponto de coleta para as pessoas que desejam se desfazer de produtos eletrônicos e para as empresas que compram lixo eletrônico para reciclar.

Sob a orientação dos professores Renato Bastos e Dêmis Gomes, as alunas Danielly Pereira, Gabriela Batista, Ilane Rodrigues, Nádila Alves e Taize Coelho discutiram o reuso da água dos ares-condicionados do Campus Porto Nacional, por meio do “Sistema Zenilda de monitoramento de água”. Zenilda Celestino é a servidora responsável pelo controle de entrada e saída de alunos na portaria da instituição e o grupo resolveu homenageá-la pela analogia do seu trabalho de monitoramento com a função do sistema criado por eles.

O sistema, que faz a junção entre a tecnologia e a sustentabilidade, promove a reutilização da água liberada pelos ares-condicionados com o auxílio da plataforma Arduíno, que analisa a quantidade de água produzida e indica seu reaproveitamento em atividades diárias no campus. O grupo espera que a ideia seja estendida a outros campi do IFTO.

O último grupo a trazer os resultados de sua pesquisa teve como orientador o professor Elvis Nascimento e é formado pelos alunos Kennedy Moreira, Mateus Cardoso e Thiago Felipe. O objetivo proposto pelo projeto “CORRE v2.0 - Cadastro de Ocorrências Estudantis v2.0 Beta” é armazenar informações e ocorrências dos alunos matriculados nos cursos técnicos integrados ao ensino médio e nos subsequentes, a fim de facilitar a identificação dos alunos, suas respectivas ocorrências durante todo o período letivo e alguns dados importantes, como matrícula, nome, curso, série e uma foto para melhor reconhecimento. O projeto inicial foi criado em 2016 e essa equipe recebeu a missão de aperfeiçoar o sistema. Segundo os participantes, é gratificante ver que todo esforço para a realização da pesquisa poderá ajudar a instituição futuramente.

A coordenadora Lucivania mostrou-se muito satisfeita com os resultados dos projetos integradores. “Os três projetos são de suma importância pois são voltados tanto para a comunidade interna do campus, como é o caso do sistema Zenilda de monitoramento de água e o CORRE, como para a comunidade externa, com a criação do website para controle do lixo eletrônico de Porto Nacional”.