Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Alunos do IFTO trabalham valorização da cultura africana e afro-brasileira durante Mostra

Notícias

Alunos do IFTO trabalham valorização da cultura africana e afro-brasileira durante Mostra

Campus Araguatins

A Mostra contou com exposições de artes e diversas apresentações
por publicado: 05/12/2017 00h00 última modificação: 18/04/2018 09h50
Colaboradores: Kelline Guimaraes

Com a intenção de contribuir com uma educação que sensibiliza alunos, servidores e comunidade em geral sobre a importância do negro para a constituição e identidade da nação brasileira, abominando o racismo e o preconceito, foi realizada a “Mostra de Arte e Cultura Africana e Afro-brasileira”, na quarta-feira, 29, no Espaço de Vivência, do Campus Araguatins, do Instituto Federal do Tocantins (IFTO). O evento foi promovido pelo Núcleo de Estudos Afro-brasileiro e Indígena (NEABI) em parceria com os alunos das 3º séries do Ensino Médio Integrados aos cursos Técnicos em Agropecuária e Redes de Computadores.

A Mostra contou com exposições de artes e culinária nos estandes, música, dança, poesia, desfile de beleza negra, palestra, pintura e desenho. As atividades foram desenvolvidas a partir de pesquisas e debates relacionados à população negra no mercado de trabalho; violência racial e genocídio do negro (afro descente) no Brasil; o negro na educação brasileira; formação educacional; lutas e impasses das Comunidades Quilombolas Prachatas, Ilha de São Vicente, Castanheira do Siríaco, Carrapiché e Kalunga do Mimoso.

Além disso, o grupo Espora de Ouro da escola Denise de Araguatins fez uma apresentação de capoeira.

As apresentações dos alunos do 3º ano foram avaliadas por um corpo de jurado, que elegeu como campeã a turma do 3º ano D de curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio.

Fátima Barros, liderança quilombola da Ilha de São Vicente, localizada no município de Araguatins, prestigiou o evento. Ela explica que a Mostra é uma oportunidade dos alunos debaterem a importância do negro, que não é uma temática somente cultural, mas é também política e de luta por território e envolve, ainda, conquista de respeito. Fátima defende que a iniciativa de levar o aluno a reflexão é uma forma conduzir a escola para que ela seja transformadora no seu papel social.

Para a coordenadora do evento, a professora de artes Cassia Maria, o trabalho apresentando pelos alunos foi excelente, e certamente passaram uma mensagem positiva sobre a valorização da cultura Africana e Afro-brasileira.